Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

Gastos Ministeriais na Justiça

O "Correio da Manhã", que mais não é do que um mero boletim oficial do actual Ministério da Justiça, publicou uma notícia, segundo a qual José Magalhães, anterior Secretário de Estado da Justiça no Governo de José Sócrates, teria comprado com dinheiros públicos objectos maçónicos para decorar o seu gabinete.

 

O próprio José Magalhães não negou a notícia, tendo todavia dito que o custo desses mesmos adornos foi meramente simbólico, e que pouco pesou ao erário público.

 

Sou completamente contra que um membro do Governo, seja ela Ministro, Secretário de Estado, Assessor ou Chefe de Gabinete decore o seu gabinete ao seu gosto pessoal com dinheiros públicos, pois trata-se de dinheiro obtido à custa dos nossos impostos.

 

Imaginse-e que sempre que mudava o Governo, cada membro do Governo decorava o seu gabinete de trabalho ao seu gosto pessoal, e sempre mediante recurso a dinheiros públicos. Quanto é que isso não custaria ao País?

 

Daí que condene veementemente a atitude de José Magalhães, de ter decorado o seu gabinete com objectos alusivos à Maçonaria, pagos com dinheiros públicos, conforme o mesmo confessou. E que, em nome da transparência, entendo que José Magalhães deveria repôr nos cofres do Estado tudo aquilo que gastou com a decoração do seu gabinete de trabalho, por mais simbólico que tenha sido o gasto.

 

Mas será que foi só José Magalhães o único a esbanjar dinheiro no Ministério da Justiça? E ainda que José Magalhães e Alberto Martins, conforme foi noticiado recentemente pelo "Correio da Manhâ", tinham uma série de avultadas verbas destinadas a despesas de representação e de refeições, e que foram abusivamente usadas? Porque é que não se fala de todos os gastos sumptuosos que foram efectuados por todos aqueles que integraram a equipa do Ministério da Justiça no último Governo de José Sócrates, da qual fazia parte o cunhado da actual Ministra da Justiça?

 

Será que Alberto Martins e José Magalhães foram os únicos a prevaricarem no Ministério da Justiça? Ou será que mais alguém prevaricou e que agora não convém que se saiba? Quais as razões pelas quais João Correia, cunhado da actual Ministra da Justiça, se demitiu do cargo de Secretário de Estado no anterior Governo de José Sócrates? Essa demissão nunca esteve bem explicada.

 

Post Scriptum - Com este artigo não estou a defender o anterior Governo, do qual sempre fui um acérrimo crítico e opositor, nem a fazer qualquer espécie de defesa de Alberto Martins e de José Magalhães. Quero, como Português e como Advogado inscrito no Sistema de Acesso ao Direito, saber o que é que se passou no Ministério da Justiça, e quem é que andou a usar em seu bel prazer dinheiros públicos. Ou seja, dinheiro de todos aqueles que pagam impostos para sustentar este Estado parasitário e despesista.

publicado por novadireita às 17:04
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Revisão de Feriados

. Mais Atrasos nos Pagament...

. Arquivada Queixa-Crime Co...

. Doutor Manuel Monteiro

. Rei Ghob - E Agora Senhor...

. Terrorista Impune

. Congresso do PSD - Mais D...

. Combustíveis Voltam a Aum...

. 11 de Março de 1975; 37 A...

. Paragem Carnavalesca

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds