Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010

Ataques a António Marinho e Pinto no "Sol"

Como ponto prévio, e ao contrário da posição do meu Bastonário, António Marinho e Pinto, cuja recandidatura apoio, não considero o "Sol" um tabloide sensacionalista que procura fazer chicana política. Considero o "Sol" como um jornal de referência que contribui significativamente para a formação da opinião e para informar os Portugueses dos principais temas da actualidade.

 

Aliás, foi devido ao "Sol" que se ficaram a conhecer processos e negócios obscuros nos quais estão envolvidos pessoas próximas do Primeiro-Ministro, como o Freeport, o Face Oculta, a compra da TVI pela PT, com interferência directa do Primeiro-Ministro, etc., etc. E a divulgação dessas notícias não constitui, a meu modesto olhar, chicana política, pois os Portugueses têm o direito de saber se o Primeiro-Ministro e/ou as pessoas que lhe estão próximas são pessoas honestas ou não, pois é inadmissível num Estado de Direito democrático que um qualquer governante se sirva das suas funções para satisfação dos seus interesses pessoais e/ou do seu círculo de amigos mais próximos.

 

Todos sabemos o lodaçal em que assenta a política portuguesa. E que é graças a uma imprensa livre que muitos dos escândalos que envolvem os nossos principais governantes têm vindo a lume. Foi assim com "O Independente", e é assim quer com o "Sol", quer com o "Expresso".

 

Na edição do "Sol" do passado dia 10 do corrente mês, o seu Director, José António Saraiva, e o seu Director-Adjunto, José António Lima, escreveram comentários sobre a postura de António Marinho e Pinto no programa "Prós e Contras" que o Canal 1 da RTP transmitiu no passado dia 6, e onde se comentou a sentença do Processo Casa Pia.

 

Referindo-se a António Marinho e Pinto, escreve José António Saraiva o seguinte: "O momento mais interessante do debate foi quando Fátima Campos Ferreira, depois de Marinho e Pinto acabar a sua intervenção - onde tinha falado, entre outras coisas, do exagero das penas -, lhe perguntou de chofre:

 

-E as vítimas?

 

-As vítimas o quê? - surpreendeu-se Marinho.

 

-Não que dizer nada sobre as vítimas?

 

Marinho Pinto gaguejou, balbuciou umas palavras andóninas - e acabou por voltar à defesa dos arguidos, dizendo que a sentença não tem que ver com as vítimas. Para ele, as vítimas ali não tinham qualquer importância. Percebeu-se, naquele debate, o que importava para Marinho era defender Carlos Cruz, Jorge Ritto e os demais condenados, sendo para ele totalmente irrelevante o facto de haver ou não haver vítimas, e o que foi feito delas."

 

Ainda sobre o Bastonário da Ordem dos Advogados, José António Lima escreve o seguinte: "(...) o bastonário da Ordem dos Advogados aproveitou a sentença do processo Casa Pia para prosseguir a sua cruzada pessoal contra o poder judicial e, em particular, contra as magistraturas. Acusa e denigre tudo e todos com uma ligeireza de pasmar. E despeja declarações incendiárias com a regularidade de um pirómano compulsivo. Tão preocupado com os seus ódios de estimação e cada vez mais encostado ao poder político em funções, quase se esqueceu das vítimas da Casa Pia. Pois é: houve vítimas, jovens abusados e violentados anos a fio. É bom não esquecer".

 

Não constitui novidade nenhuma para ninguém que quer José António Saraiva, quer José António Lima, sobretudo este último, não nutrem qualquer espécie de simpatia por António Marinho e Pinto. São livres de assim pensarem. O que José António Saraiva e José António Lima não podem é deturpar aquilo que António Marinho e Pinto disse no programa Prós e Contras do pasado dia 6 deste mês.

 

Com efeito, quem viu esse programa atentamente, como foi o meu caso, ouviu da boca de António Marinho e Pinto que este não tem dúvidas que desde há decadas que existem abusos sexuais na Casa Pia, e que no recente processo judicial também houve vítimas. Resta saber se os arguidos praticaram ou não os crimes pelos quais foram condenados em sede de primeira instância, uma vez que todos eles clamam inocência e anunciaram intenção de recorrer do acórdão condenatório. A isso o obriga o princípio in dubio pró réu, segundo o qual todo o arguido se presume inocente até trânsito em julgado da sentença. Sobre Carlos Silvino, António Marinho e Pinto disse que a pena de 18 anos de prisão que lhe foi aplicada afigura-se exagerada, atendendo a que, de acordo com o veículado pela comunicação social, Carlos Silvino mostrou arrependimento, confessou os crimes, implicou os outros arguidos, o que levaria a que o Tribunal lhe atenuase a pena, e não foi isso que aconteceu. Referindo-se a Carlos Cruz, que clamou inocência, António Marinho e Pinto disse que se o apresentador de televisão estava de facto inocente, conforme alegava, a sua reacção era muito branda, pois, caso contrário, estava a fazer um grande número de teatro.

 

Pergunto pois: Isto é fazer a acérrima defesa dos argidos e ignorar completamente as vítimas? Quer-me fazer crer que não. Além de que há uma circunstância que ninguém pode ignorar: É que o julgamento do Processo Casa Pia foi fortemente mediatizado, tendo sido feito um julgamento paralelo na opinião pública, julgamento paralelo esse que certamente que influencia o julgamento judicial. E não é so com o julgamento do Processo Casa Pia que tal acontece. É com todo e qualquer julgamento mediático.

 

Com isto recomendo quer a José António Saraiva, quer a José António Lima, cujas análises políticas admiro e em algumas delas concordo com o que dizem, pese embora sejam de uma área política diferente da minha (são conhecidas as simpatias de José António Saraiva e José António Lima pelo PSD, ao passo que eu sou da direita conservadora/liberal e soberanista em relação á União Europeia), que, quando escreverem algum comentário sobre afirmações de António Marinho e Pinto, oiçam atentamente o que ele diz, para não voltarem a escreverem infelizes artigos como os que escreveram no "Sol" do passado dia 10 deste mês.

 

Este tipo de artigos nada dignifica um jornal que admiro profundamente, e do qual sou um acérrimo leitor.

publicado por novadireita às 18:08
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
25
26
27
28

29
30


.posts recentes

. Revisão de Feriados

. Mais Atrasos nos Pagament...

. Arquivada Queixa-Crime Co...

. Doutor Manuel Monteiro

. Rei Ghob - E Agora Senhor...

. Terrorista Impune

. Congresso do PSD - Mais D...

. Combustíveis Voltam a Aum...

. 11 de Março de 1975; 37 A...

. Paragem Carnavalesca

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds